Transtorno Bipolar

in TAB, TOC

Pouco tempo atrás, eu estava em um momento de descontração, quando alguém disse algo que me deixou com tanta raiva que me levantei, fui para outro cômodo e quebrei o copo na parede. Nesse exato instante percebi que eu poderia ter Transtorno Bipolar, ou “TAB”. Não, não é a tecla do seu teclado, a sigla significa “Transtornos Afetivo Bipolar”. Quando consegui me acalmar, comecei a tentar lembrar de todas as situações em minha vida que tive uma reação parecida, ou alguma atitude que poderia indicar outro sintoma da doença. E após passar horas estudando sobre o assunto (e olha que ainda não parei), consegui constatar que tenho absolutamente todos os sintomas da doença.

É aí que todos que tem TOC precisam observar com mais cautela seu comportamento. Lendo vários artigos científicos, descobri que cerca de 70% das pessoas adultas com “TOCi”, que é o TOC desenvolvido na infância, tem outros tipos de desordem na vida adulta. Dentre esses problemas está incluso, no topo da lista, o “Transtorno Bipolar”. E posso garantir a todos vocês que é algo bem difícil de aceitar, mas de acordo com:

Joel Yager – Professor do Departamento de Psiquiatria da Escola de Medicina da Universidade do Colorado; Professor Emérito do Depto de Psiquiatria da Escola de Medicina da Universidade do Novo México; Professor Emérito do Depto de Psiquiatria e Ciencias do Comportamento da escola de Medicina Dagid Geffen, na UCLA.

Que fizeram diversas pesquisas com pacientes com “TOCi”, isso é bastante real. E infelizmente, acabei entrando nessa brincadeira.

Fatos

Os pesquisadores citados acima conduziram um estudo pioneiro naturalístico e seccional cruzado, para comparar as correlações atuais e de toda a vida do aparecimento do “TOCi” em 64 pacientes juvenis com TOC (incluindo 44 adolescentes) e em 193 adultos com o transtorno surgido na juventude (idade média: 38 anos).
Apenas 20,3% dos juvenis e 10,4% dos adultos relataram “TOC puro”, sem complicações por outros diagnósticos do eixo I ou II do DSM (Manual Estatístico e Diagnóstico).

Os adultos apresentaram transtornos do humor (inclusive bipolar) em 71,5%, versus 42,2% dos adolescentes e crianças. O TOC de inicio adulto também foi associado a maior uso de substâncias químicas (27,5% versus 0%), pânico 21,2% versus 3,2% ou transtorno alimentar (13,5% versus 1,6%) no “TOCi”.

Os adolescentes e adultos relataram mais frequentemente obsessões agressivas ou rituais mentais.

Nenhuma diferença foi encontrada quanto aos fenômenos de amontoamento ou de “incompletude” (ou seja, ter de completar determinadas tarefas).

Aceitação

Essa parte foi bastante complicada, e pra ser sincero, a ficha ainda não caiu completamente, mas minha parte racional não me permite pensar de outra forma, uma vez que tudo faz sentido no momento em que aceito esse diagnóstico.

Desde o momento em que quebrei o copo não consigo parar de pensar em outra coisa, e de buscar mais dados para fazer um “double check” e ter a absoluta certeza de que realmente é isso. Aceitar é mais difícil do que perceber (um “viva” a nosso lado mamífero).

Uma coisa é certa, estou me sentindo bizarro e me achando mais estranho ainda cada vez que olho no espelho. Reavaliando meu comportamento a cada segundo, em tempo real. Começo a ter raiva de mim mesmo. Eu queria quebrar o espelho…

Sintomas

Os sinais e sintomas da mania (ou de um episódio maníaco) incluem:

- Energia e atividade aumentadas, inquietação
- Humor excessivamente “elevado”, bom demais, eufórico
- Irritabilidade extrema
- Pensamento acelerado e falar muito e rapidamente, pulando de uma idéia para outra
- Distraibilidade, não consegue se concentrar direito
- Pouca necessidade de sono
- Crença super-valorizadas das próprias capacidades e poderes
- Juízo crítico deficiente
- Gastos excessivos
- Um período longo de comportamento que difere do habitual
- Aumento do impulso sexual
- Abuso de drogas, especialmente cocaína, álcool e medicações para dormir
- Comportamento provocador, invasivo ou agressivo
- Negação de que há alguma coisa errada Humor triste, ansioso ou vazio duradouro
- Sentimentos de desespero ou pessimismo
- Sentimentos de culpa, menos valia ou impotência
- Perda do interesse ou prazer em atividades que eram anteriormente apreciadas, incluindo sexo
- Diminuição da energia, uma sensação de fadiga ou de estar “devagar”
- Inquietação ou irritabilidade
- Dorme demais, ou não consegue dormir
- Alteração no apetite e/ou perda ou ganho de peso não intencional
- Dores crônicas ou outros sintomas corporais persistentes que não são causados por doenças ou lesões físicas
- Idéias de morte ou suicídio ou tentativas de suicídio.

No demais

Diferentemente do que muitas pessoas pensam, o Transtorno Bipolar não siginifca, necessariamente, a mudança rápida de humor ou pensamento. De fato, um estado de humor pode durar meses e meses. Esse é um dos motivos pelo qual o diagnóstico é tão complicado.

Pessoas que tem problemas psicológicos, seja qual for o gênero, precisam ser imparciais quanto ao julgamento de seu próprio comportamento, ou ao menos tentar, para poder perceber uma série de problemas que podem surgir devido a existência de fatores como o TOC.

Percepção

Acho o mundo realmente muito débil, mas de quando em vez me pergunto se isto se deve pela forma como eu o vejo, ou pela forma como ele é. É difícil saber quem pode ser mais bizarro, a imaginação ou a realidade.

Esse degrau do autoconhemimento torna as coisas ainda mais complicadas pra mim, ainda mais porque explica muitas coisas de meu comportamento que eu não compreendia direito, e então, simplesmente deixava passar.

O certo seria eu virar evangélico, mas sou inteligente demais pra isso, então preciso dar um jeito de lidar com os fatos e suas conseqüências. Não está sendo nada divertido, pois agora me vejo de uma forma nova, com mais variáveis.

Eu queria ser o processador cansado de uma espaçonave antiga que encontra um asteróide, mas minha parte animal me faz agir de outra forma, e em vez de pensar em um fim, só consigo imaginar um “conserto”, um jeito de “hackear” minha mente e meu comportamento.

Conclusão

Agora preciso encontrar uma forma de lidar com isto. Espero que seja divertido essa empreitada do “tentar não ficar maluco” (de novo).

Existe muito material didático na web sobre o assunto. Desde matérias a artigos científicos. Recomendo a todos que tem TOC a darem uma boa olhada no espelho, uma vez que isso atinge boa parte das pessoas que tem esse problema.

Podem contar com mais artigos e crônicas sobre o tema, uma vez que estou agora tentando entender esse novo problema.

  • http://luzsobreopantano.blogspot.com/ Geilson Volking

    E eu pensava que fosse só frescura… Acho que essa é a hora certa, Fernando, de você fazer um exorcismo. Deve ter uma legião de pobres demônios sendo atormentados na sua cabeça. Ótimo texto.

  • http://www.obsessivocompulsivo.com Fernando

    @Geilson Volking, Meus demônios serão minha herança :P

  • http://contra-indicacao.blogspot.com sabr

    achei massa a materia que você fez, levando em conta sua vida, e sua história diante desse problema do qual estou sofrendo,
    e estou aqui num dos meus piores dias, trancada enfrente a um computador pirando ~
    enfim. muito boa a materia
    e o filme mr jhones eu ja vi.é bem bacana.

  • http://entrenosevoces.blogspot.com/ Fe

    cara…sempre que eu pesquiso sobre o assunto (me interesso muito) eu vejo que eu tenho os sintomas também…fico meio tensa, mas depois eu relaxo… por que você não faz uma psicoterapia? Daí você terá certeza se tem ou não, por que é muito difícil sermos parciais quando se trata de nós mesmos… acho que um profissional te ajudaria muito nessa questão… =]

    A matéria está perfeita, me ajudou bastante, preciso fazer uma dissertação sobre TOC e quanto mais souber, melhor…

  • http://www.obsessivocompulsivo.com Fernando

    @Fe, Eu já faço terapia =]

  • Thyago

    Olá, acabei de descobrir seu site e tenho passado um bom tempo me deliciando com seus registros, por incrível que pareça, tenho muito em comum com você, e acabei descobrindo que até mesmo no transtorno bipolar, queria te dizer que por mais desconexo e estranho isso possa ser, é de fato, algo que terá que se esforçar para vencer, ou apenas aprender a conviver com isso, que é o mais provável que aconteça.

    Como está seu tratamento, apenas terapia, ou está utilizando fármacos?
    Eu estou tomando 1000 miligramas de Depakote 1x por dia e ainda não faço psicoterapia, por motivos pessoais, talvez vou ter que passar para o Carbolithium pois esse já não surte mais tanto efeito.

    Boa sorte e continue escrevendo ótimas matérias, espero aprender muito com você e quem sabe dividir um pouco do que sei.

    Thyago

  • Da-shh

    Legal o seu site, gostei muito, meus parabéns…Pena que ele está morto.
    Ou eu sou bipolar, tenho quase todos os sintomas que você citou, ou é frescura mesmo.

    Apesar que essa coisa de suicídio, no meu caso, é genético. rs

    Abraços

  • http://olguinha-guita@hotmail.com Olga dos Santos

    Olá,sou bipolar. No começo nem imaginava do se tratava e porque eu? Pesquisei muito,sei que na família existiram vários casos. Tomo medicamentos há doze anos.
    Tentei parar por conta própria,foi horrível,pensei que fosse morrer,não conseguia parar
    em pé. Fiz terapia durante quatro anos,que me ajudou muito. Fiquei anos sem me
    olhar dentro dos olhos no espelho,raspei minha cabeça,fiz muitas tatuagens,queria
    de certa forma arrancar a angustia de dentro do meu peito. Certa vez,achei que estava
    infartando,tinha todos os sintomas,fiquei internada,depois ouvi falar sobre a síndrome
    da dor no coração,cujos sintomas eram semelhantes. Me divorciei,foi difícil,mas sempre
    pensei,quem ama deixa livre para amar,ele estava sofrendo muito…tenho um filho de dezessete anos,que me compreende,ajuda,ama. Consegui recobrar minha alto-estima,sou muito vaidosa.mas o que não consigo ainda é voltar a trabalhar.sempre nas entrevistas,as pessoas notam,fico muito ansciosa. A minha visão esta cansada,comecei a usar óculos,adorava ler,mas hoje não sinto a miníma vontade,muitas vezes entro no quadro DE COITADINHA.. Sei que não é nada bom. Sei também que não posso deixar os medicamentos. Quero poder algum dia ajudar.

  • nleme

    Oi, sou de uma família que tem 3 bipolares, conheço os sintomas de cor e salteado. Tomo os medicamentos certinho, mas as vezes fico em crise, sinto que preciso conversar mais, mas sou tão calada que me assusto com minha quietude. Faço psicoterapia. Sou casada e às vezes acho que não sou normal, me acho obsessiva. Mas acredito muito em Deus e converso com Ele e sei que no final tudo dará certo. Um dia este mundo vai ser diferente.Deus fará tudo novo. Gostei de ler os comentários.